Governo do Estado cede mamógrafo para Candeias

No início da tarde desta sexta-feira (27), o prefeito Dr. Pitágoras assinou o termo para o uso do mamógrafo cedido pelo Governo do Estado à Prefeitura de Candeias.  A população poderá contar com o tão sonhado mamógrafo para atender as candeenes.

De acordo com o prefeito Dr. Pitágoras a sala que receberá o equipamento passará por processo de adequação para a instalação do aparelho. “Desde quando entrei na vereança que eu faço essa cobrança, agora enquanto prefeito estou conseguindo resolver, me sinto feliz por ter o meu desejo e sonho de centenas de candeenses realizado”, ressaltou o prefeito.

Para a secretária de Saúde, Soraia Cabral, este equipamento contribui para que muitas vidas sejam salvas.  “Um diagnóstico rápido e precoce é hoje a principal arma que podemos ter no combate ao câncer de mama, e por isso estamos trabalhando para garantir que as mulheres da nossa cidade tenham acesso a este tipo de exame”, disse a secretária.

Importância do exame

No Brasil, o câncer de mama é a primeira causa de morte por neoplasia nas mulheres. A mamografia pode identificar lesões benignas e cânceres, que geralmente se apresentam como nódulos ou calcificações. Esse exame é usado para detecção precoce do câncer de mama antes mesmo de ser identificado clinicamente por meio da palpação (autoexame).

A Organização Mundial da Saúde- OMS, estima que no mundo ocorram cerca de 1.050.000 casos de câncer de mama por ano. É o tipo de câncer que mais incide sobre a população feminina. Nas mulheres, é a causa mais frequente de morte por câncer.

As causas do câncer de mama não são totalmente conhecidas, mas sabe-se que a doença é multifatorial e depende de uma complexa combinação de fatores. A idade é o principal fator de risco, que aumenta a partir dos 35 anos em alguns grupos. As mulheres que têm entre 50 e 70 anos são as mais propensas, por isso as políticas de rastreamento, baseadas nas recomendações da Organização Mundial de Saúde, são prioritariamente focadas nessa faixa etária. Existe também a predisposição genética, que não é tão significativa, pois representa de 5% a 10% dos casos, mas serve como alerta.